quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Retrospectiva 2018

Mais um ano e mais uma retrospectiva.
Terceira retrospectiva que faço aqui no blog.
Em 2016 falei de gratidão. Vivi um ano lindo. Agradeci pelas experiências e viagens, por ter começado a namorar com um garoto maravilhoso, e por ter reencontrado meus pais depois de um ano. Também agradeci por sentimentos e momentos, tanto bons como ruins.
2016 foi um ano incrível.

Em 2017 eu fui mais sucinta e não fiz bem uma retrospectiva, foi mais um simples agradecimento. Agradeci por um ano maravilhoso, cheio de altos e baixos, pelas novas amizades, pela minha família e novas oportunidades. Da mesma forma, agradeci pelas quedas e pelas batalhas vencidas, por tudo isso ter me feito uma pessoa melhor.
2017 foi um ano difícil.

Hoje, venho falar de 2018.
Que ano, meus amigos, que ano.
2018 começou difícil, com as dores do ano anterior.
Depressão, ansiedade e choro diário.
O namoro que começou em 2016, terminou em 2018.
Último ano de faculdade. Correria, estágio e pesquisa de TCC.

A vida não é um mar de rosas, mas também não é um mar de espinhos.

Reencontrei amigas que não via desde o intercâmbio.
Fiz novos amigos e me livrei de pessoas tóxicas.
Continuei fazendo terapia, e isso me ajudou demais. Inclusive recomendo para todo mundo fazer terapia, nem que seja para se conhecer melhor.
Descobri que namoro a distância não é para mim, e que esse relacionamento estava me destruindo mais do que me fazendo bem.
Me recuperei da depressão, controlei minha ansiedade, durmo tranquilamente e sem dor que me faça chorar.
Voltei das férias na Bahia, de todas que já passei lá, essa foi a melhor.
Viajei para Ouro Preto, João Monlevade, Brasília e Foz do Iguaçu.
Comecei a gostar mais de meteorologia, acho que finalmente me encontrei no meu curso. 
Fiz dois estágios e minhas notas aumentaram bastante.
Apesar de todo estresse do TCC, consegui tirar 10, algo que eu não esperava que acontecesse de jeito nenhum.
Conclui meu curso, finalmente!
Cresci e me fortaleci como nunca, e finalmente descobri o que é ser grato independente das circunstâncias.
Aprendi que a felicidade está dentro de nós, e não depende unicamente do que acontece ou com quem estamos.
Me aproximei mais de Deus.

Tenho a sensação de que esse ano foi o mais longo de toda a minha vida.
Esse ano foi uma montanha russa, a mais radical de todas.
Eu caí muito, mas me levantei todas as vezes em que caí.
E eu sou muito grata por tudo.

Tata.

Nenhum comentário:

Postar um comentário